Uma boa conversa é a maior tecnologia do modelo 70:20:10

Olá!

Neste mês de Junho/2017, estive palestrando no Summit 70:20:10, em São Paulo (SP), promovido pelo canal Espresso3 (www.espresso3.com.br), site especializado em conteúdo para desenvolvimento humano.

Uma plateia, composta por seleto grupo de executivos e profissionais da área, participou ativamente das apresentações.

Na ocasião tive a honra de compartilhar cases que lidero e, de ser assistido por nada mais nada menos que Charles Jennings (https://twitter.com/charlesjennings), a maior referência mundial no método 70:20:10, que palestrou logo em seguida, na mesma data.

Diante de todos os aprendizados deste grato momento que tive em minha carreira, escrevi este post com algumas correlações entre a prática do Poder da Escutatória e o método 70:20:10.

Em primeiro lugar, vamos a uma breve contextualização acerca do método em questão. Para elucidar costumo fazer a seguinte analogia em minhas palestras. Pergunto aos presentes quem da sala já fez curso de Excel, por exemplo. Frequentou um curso em escola especializada, em geral uma boa parte levanta a mão. Em seguida, pergunto, aos que ergueram a mão, quem que ao ter alguma dúvida sobre o uso de Excel, abre a gaveta e pesquisa na apostila do curso, um grupo bem menor em geral se manifesta. Para fechar eu pergunto, quem de vocês ao terem dúvida com Excel, viram a cadeira e perguntam ao colega ao lado, um grupo maior sempre levanta a mão, mas quando pergunto quem pesquisam na internet a respeito, todos, praticamente sem exceção, levantam a mão.

Baseado neste princípio, afirma-se que 10% de tudo o que aprendemos está em cursos formais, ou se preferir, na sala de aula. 20% está quando conseguimos interagir com outra pessoa que nos orienta, nos oferece treinamento ou coaching a respeito, os outros 70% vêm do aprendizado informal, ou seja, aprendemos sozinhos buscando, refletindo e identificando oportunidades de conhecimentos.

Ao desenvolver o que chamei de “O Poder da Escutatória” oriento nos cursos, palestras e aos leitores do livro, de que a importância de aprender a “escutar” os sinais ditos e não ditos, que todos compõem as peças do quebra-cabeça do relacionamento humano. A este tabuleiro de sinais, no mercado costumam chamar de “feedback”, e eu prefiro chamar de “presente”.

Há 70:20:10 em todo o entorno do “presente”

No “10”, está o momento onde quem participa do curso, palestra ou workshop a respeito. Seja comigo ou com outros profissionais da área, quando você está dentro de uma sala, recebendo conteúdo através de facilitador ou mesmo através de módulo on-line específico sobre o tema. 

Ao “20”, está o exato momento do encontro para entregar ou receber o “presente”, onde os interlocutores trocam as mensagens. Ao usar O Poder da Escutatória, você aprende a entregar de forma organizada em perguntas abertas, que exigem que a escuta seja sua maior habilidade na condução e na interpretação da mensagem.

Fica no “70”, todo o aprendizado individual e reflexivo onde quem pratica O Poder da Escutatória aprende que tudo é feedback, inclusive a ausência de feedback é um feedback! Neste momento, o aprendizado é pessoal, e só ocorre com atitude protagonista e dedicada em responsabilizar-se pelos resultados que está obtendo, sempre com olhar aprendiz, que absorve e identifica uma nova experiência a cada “presente” dado ou recebido.

Quem aprende a praticar O Poder da Escutatória, consegue agir na plenitude do método 70:20:10, conquistando assim a maior profundidade na aprendizagem através dos feedbacks diferenciadores. Aqueles que constroem relações duradouras.

Se você já conhece e está praticando o método, deixe nos comentários sua experiência, e caso ainda não conheça, fique atento à nossa agenda de palestras e adquira o seu exemplar de O Poder da Escutatória.

Forte abraço!

Rodrigo Leite